Estado Mundial Cosmoético

O que é Estado?

O Estado é a organização ou agrupamento de ideais políticos, indivíduos estabelecidos em determinado território, submetidos à autoridade de um po­der público soberano, objetivando a eficácia do bem comum.

Para a construção desse “bem comum” são realizados pactos e con­tratos sociais, onde os cidadãos renunciam e transferem direitos naturais em fa­vor do interesse público.

O reconhecimento do Estado enquanto entidade de direito público, ocorre pela tríade basilar composta pelo povo, território e a soberania, e não apenas pelo poder que exerce perante a co­letividade.

 

O Estado Mundial e a Cosmoética Conscienciológica

O conceito de Estado Mundial Cosmoético, na cosmovisão parapolítica da Conscienciologia, abarca novos valores jamais refe­ren­cia­dos, tendo a Cosmoética por filosofia moral e abrangendo a multi­dimen­sio­na­lidade.

A ideia de um governo único mundial integrando todos os povos per­meou a mente de muitos filósofos, políticos e intelectuais. Embora tenha sido co­gitado em outros tempos, nunca houve sua constituição, tendo em vista o mis­­ticismo prepotente, a política imperialista e o militarismo beligerante sem­pre atuando no impedimento da realização de governos mundiais com ten­dência ao pacifismo e à democracia.

Sob a égide da Cosmoeticologia, o professor, advogado e cons­cien­ció­lo­go Jayme Pereira (1930-2019), fez um contraponto com as políticas dom­inan­tes.

Em seu livro Princípios do Estado Mundial Cosmoético (2014, p. 9), expõe com lógica e coerência, a proposta inovadora de estrutura e pros­pec­tivas da neossociedade intrafísica futura, embasando a evoluída política:  

“A expressão “Estado Mundial” refere-se à ideia de estrutura do Estado ou Governo único em toda Humanidade. A função prioritária do Estado Mundial consiste em promover a cooperação, o intercâmbio e a integração entre os Estados. A gestão inter­nacional, garantia do respeito às diferenças nacionais e culturais, fundamenta-se no consenso das nações.

[…] A concretização do Estado Mundial supõe o ama­du­re­cimento da consciência cosmopolita na Terra e a flexibilização dos governos nacionais quanto ao pressuposto direito de exercício da absoluta soberania”.

Atualmente, existem pequenos grupos motivados com esse corpus de ideias libertárias, mas o Planeta ainda se encontra em faixa evolutiva abaixo da mé­dia para a implantação da referenciada política.

A mudança ocorrerá quando a Hu­ma­nidade conseguir ultrapassar, vencer, transpor as fronteiras geopolíticas sec­tárias e superar os egocentrismos multimilenares, propiciando a catalisação da maxiproéxis grupal, e oportunamente, a vivência teática da mega­fra­ter­ni­dade.

Entretanto, instituições, personalidades e diversos pesquisadores mo­ti­vados pelo vanguardismo do paracientista Waldo Vieira (1932-2015), ad­mi­tem o projeto da constituição esboçante dessa política evoluída, denominada Pro­to-Estado Mundial.

A concepção deste arcabouço parapolítico se embasa nos valores evolutivos atinentes às neoverpons conscienciológicas, no exem­pla­rismo das Instituições Conscienciocêntricas – ICs, no trabalho voluntário, na vivên­cia da Cosmoética e nas práticas parapsíquicas interassistenciais, as quais pro­movem o acolhimento, a orientação e o encaminhamento de conscins e cons­ciexes, por meio da tares antidogmática.

Os cognopolitas têm a chance ímpar na História da Humanidade de ins­ti­tuir essa célula prototípica. A partir do Conselho dos 500, ousam superar a pro­posta da democracia pura do legislador Clístenes (560-508 a.e.c), fundador do sistema democrático de Atenas, idealizador do Conselho homônimo na an­ti­ga Grécia, quando apenas pequeno percentual da população tinha direito ao vo­to.

A hipótese sugerida por Vieira está exposta no verbete Proto-Estado Mundial, com o claro propósito de se iniciar na Cognópolis e se espargir Cosmos afora, em séculos ou milênios.

“O Proto-Estado Mundial é o esboço, ensaio ou tentativa de de­terminado grupo de pessoas afins viver social e po­litica­mente, de modo experimental, hoje, no Terceiro Milênio, a antecipação, em tamanho reduzido – por exemplo, a Co­munidade Conscienciológica Cosmoética Internacional (CCCI), no Bairro Cognópolis, em Foz do Iguaçu, Paraná, Brasil –, as múltiplas condições específicas, avançadas, do Estado Mun­dial futuro, idealizado e ainda tido por pura teoria ou visionarismo (VIEIRA, 2013a, p. 8.980)”.

Autora

Marlene Roque

Bacharel em Direito, com especialização em Direito do Trabalho, pesquisadora da Paradireitologia desde 2008, voluntária da Conscienciologia e tenepessista desde 2009, docente desde 2011, autora do livro Liderança Compartilhada: Ferramenta Evolutiva Grupal e diversos artigos e verbetes da Enciclopédia da Conscienciologia. Atua em qual IC atualmente: IIPC Desde quando? 2018; E ainda: Projeto suprainstitucional da Ágora Cognopolita, em parceria com a AIEC, desde 2018.

Referências Bibliográficas

Fonte Imagem: Unsplash – Bill Oxford

  1. Pereira, Jayme; Princípios do Estado Mundial Cosmoético; Associação Internacional Editares; Foz do Iguaçu, PR; 2013; páginas 9 e 183.

  2. Roque, Marlene; Liderança Compartilhada: Ferramenta Evolutiva Grupal; Epígrafe Editorial; Foz do Iguaçu, PR; 2020; páginas 303 a 313; 365 a 371.

  3. Vieira, Waldo; Org.; Enciclopédia da Conscienciologia; Associação Internacional de Enciclopediologia Conscienciológica (ENCYCLOSSAPIENS); & Associação Internacional Editares; Foz do Iguaçu, PR; 2018; ISBN 978-85-8477-118-9; verbete Proto-Estado Mundial; Vol. 22, p. 18.450 a 18.454.

  4. Vieira, Waldo; Org.; Enciclopédia da Conscienciologia digital; verbete Histórico do Conselho dos 500; N. 4.787.

Compartilhe
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Cadastre-se

📩 Receba NOVIDADES sobre a Agenda de Eventos do CEAEC. 
Insira seu melhor e-mail abaixo:

Captcha obrigatório
Seu e-mail foi cadastrado com sucesso!
Publicações Recentes